"O telectroscopio", 
O Commercio do Porto
. XXVI anno, n° 239. 
Sabbado 4 de outubro de 1879. Porto.


Notice

    Cet article paru dans O Commercio do Porto, fait écho, sans le nommer explicitement,   aux travaux de Constantin Senlecq. Adriano de Paiva, Professeur à l'Université de Porto, réagit immédiatement à sa publication dans une lettre publiée le 7 octobre, pour revendiquer la priorité de l'idée du télectroscope basé sur l'emploi du sélénium.

    Mais uma maravillia devida á electricidade : o telectroscopio, por meio do qual diversos individuos, separados pelo Atlantico, por exemplo, poderão ao mesmo tempo fallar uns com os outros, ouvir-se e vèr-se, sem sahirem de suas casas. Esta invenção tem sido submettida ao exame de physicos abalisados.

    O novo apparelho baseia-se na propriedade que tem o selenio de offerecer uma resistencia electrica variavel e sensivel, segundo as differentes gradações da luz. Esta propriedade foi deicoberta por W. Smith, que communicou à Sociedade de Engenheiros Telegraphicos de Londres essa propriedade que tem o selenio de apresentar menor resistencia á   corrente electrica quando está  exposto á  luz, do que quando o não está.

    Chegou-se a medir a acção que as diversas côres exercem na conductibilidade electrica do selenio. Siemens construiu um olho artificial em que o selenio desempenhava o papel de retina, e que ficava sendo sensivel á acção da luz, ás differenças de côr, etc. Conseguiu mesmo que nesse olho houvesse até una especie de palpebras, que se fechavain quando a luz era inuito intensa. Estas foram as experiencias preliminares; passemos á descripção do instrumento.

    Consiste em uma camara escura das ordinarias, provida de um crystal fôsco e de qualquer systema do telegrapho autographico.

    As imagens representam-se sobre o crystal e os traços d'essas imagens são percorridos por unia ponta de selenio, que está ligada coin a pilha e com o fio transmissor. A ponta experimenta differentes vibrações da luz, as quaes transmitte.

    O apparelho receptor consiste em uma ponta de plombagina, ligado a uma lamina finissima de ferro, que vibra em frente de um eclectro-magnete, onde chega a corrente que parte da estação transmissora.

    A ponta de plombagina marca sobre o papel, com maior ou menor pressão, as vibrações que recebe.

 



Suite de la brochure de Adriano DE PAIVA, La téléscopie électrique basée sur l'emploi du sélénium, Porto, 1880.

 

ban3.jpg (8020 octets)

Histoire de la télévision      © André Lange
Dernière mise à jour : 11 janvier 2002